4 formas como os terráqueos poderiam encontrar seres alienígenas

Confira algumas apostas da Ciência para detectar formas de vida inteligente fora da Terra.

1 – Por meio de lasers

Segundo os cientistas, os feixes de laser podem alcançar distâncias extraordinárias, portanto é possível que civilizações alienígenas façam uso da emissão de pulsos para se comunicar. O pessoal do SETI — organização focada na busca de formas de vida extraterrestre inteligente —já faz uso de equipamentos capazes de detectar um único fóton emitido com intervalos de frações de segundos e está conduzindo varreduras em regiões próximas ao Sistema Solar em busca de sinais.

Além do SETI, pesquisadores das Universidades de Princeton e Harvard também se uniram aos esforços — e, ao longo de vários anos, realizaram o monitoramento de mais de 10 mil estrelas semelhantes ao nosso Sol em busca de emissões de luz que apresentem padrões e indiquem a existência de seres alienígenas tentando se comunicar com a Terra. Infelizmente (ou não), nenhuma atividade extraterrestre foi identificada até o momento.

2 – Por meio de sondas espaciais

Assim como nós, terráqueos, já enviamos sondas espaciais para explorar o Sistema Solar e o cosmos, existem pesquisadores que acreditam que civilizações extraterrestres podem muito bem ter feito a mesma coisa. Inclusive há quem defenda que os equipamentos alienígenas continuam vagando aqui pela Via Láctea, mas não foram detectados ainda porque a nossa tecnologia é muito primitiva.

Sondas capazes de se autorreplicar

Nesse sentido, uma dupla de matemáticos da Universidade de Edimburgo, na Escócia, propôs que sondas extraterrestres capazes de se autorreplicar podem ter explorado a nossa vizinhança — e podem ainda estar xeretando por aqui — sem o nosso conhecimento. Segundo os cientistas, os dispositivos robóticos poderiam se reproduzir a partir de gases ou de poeira interestelar e se distribuir para vasculhar diferentes estrelas e planetas.

Conforme estimaram, se esses robozinhos pudessem viajar com aproximadamente 10% da velocidade da luz, uma frota deles poderia explorar a nossa galáxia inteira em cerca de 10 milhões de anos — o que, em escala astronômica, é considerando um tempo relativamente curto.

3 – Por meio da radiação

Não é porque nós, terráqueos, estamos em busca de alienígenas que eles vão estar interessados em contatar outras civilizações. Quem garante que eles não querem ficar quietinhos nos seus cantos? Nesse caso, uma boa maneira de encontrá-los seria procurar por grandes quantidades de radiação infravermelha — liberada como subproduto de estruturas hipotéticas que os cientistas chamam de “Esferas de Dyson”.

Representação artística de uma Esfera de Dyson

Propostas pelo físico teórico — e escritor de ficção científica — Freeman Dyson na década de 60, as esferas seriam megaestruturas construídas por civilizações tecnologicamente superavançadase colocadas em órbita ao redor de estrelas para a obtenção de energia ilimitada de forma direta.

Acontece que, segundo Dyson, as esferas acabariam perdendo parte da energia coletada para o espaço na forma de radiação infravermelha. Sendo assim, vasculhar os confins da nossa galáxia em busca desse tipo de radiação poderia — hipoteticamente — levar à descoberta de formas de vida inteligente.

4 – Por meio da descoberta de um apocalipse

Em se tratando de encontrar criaturas em outros planetas, o mais lógico seria buscar sinais de vida, certo? No entanto, alguns cientistas propõem que, se a intenção é confirmar que não somos únicos no Universo, talvez possamos procurar por vestígios que indiquem a extinção de uma civilização.

Isso porque, segundo os pesquisadores, assim como a atividade produzida pela vida poderia ser detectada, os gases da decomposição de organismos, a existência de radiação liberada por guerras nucleares, a presença de fragmentos provenientes de um ataque bélico — ao melhor estilo “Estrela da Morte” de Star Wars — também poderiam ser identificados.

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Publicações relacionadas

Leave a Comment